• SOBRE A BREVIDADE DA VIDA – Sêneca:

    Por: Juliana Vannucchi “A vida, se bem empregada, é suficientemente longa e nos foi dada com muita generosidade para a realização de importantes tarefas.”- Sêneca.  “Sobre a Brevidade da Vida”, de Sêneca (4 a.C? – 65. C.), foi o primeiro livro de Filosofia que li. Esse contato inicial com a obra, me cativou de imediato

  • A CATEGORIA DO EU EM KIERKEGAARD:

    Por: Juliana Vannucchi   O existencialismo é uma corrente filosófica que popularizou-se intensamente ao longo do século XX, tendo como principal fonte de inspiração, as obras de Jean-Paul Sartre, Albert Camus e Martin Heidegger. Entretanto, em meados do século XIX, o pensador dinamarquês Søren Kierkegaard registrou em seus livros as linhas que hoje são consideradas

  • O CONCEITO DE MAGIA NA FILOSOFIA DE SCHOPENHAUER:

    Por: Juliana Vannucchi   As obras de Arthur Schopenhauer são vastas e oferecem inúmeras abordagens e reflexões instigantes e profundas. Atualmente, é comum vermos o nome do pensador alemão ser associado diretamente ao pessimismo, embora a totalidade de seu legado carregue em si aspectos que se encontram muito além desse traço com o qual ele

  • TIPOS DE CONHECIMENTO:

    Por: Juliana Vannucchi   Em sua Metafísica, Aristóteles escreveu que “por natureza, todo homem deseja conhecer”. De fato, notamos que o desejo pelo conhecimento acompanha o ser humano desde os primórdios e, com o passar do tempo, conforme o homem evoluiu, surgiram algumas maneiras diferentes de construir conhecimento, sendo que é através delas que se

  • ALGUMAS OBSERVAÇÕES SOBRE O LEGADO ARTÍSTICO DE DÜHER:

    Por: Juliana Vannucchi   Caríssimos leitores, abaixo, prazerosamente compartilharei com vocês as principais percepções que tive com as pinturas de Düher, como elas me afetaram esteticamente e porquê tanto me intrigam todas as vezes em que as aprecio e a elas me entrego.    Antes de mais nada, ouso dizer que talvez Düher tenha sido

  • HIPÁTIA DE ALEXANDRIA:

       Por: Juliana Vannucchi   Hipátia foi uma das mulheres mais célebres e fascinantes de toda a história da humanidade. Na época em que viveu tornou-se especialmente conhecida por sua sabedoria e comprometimento em diversas áreas, como a matemática, a lógica, a filosofia e a astronomia. Sua trajetória de vida ficou marcada tanto pela notável

  • A TRIPARTIÇÃO DA ALMA:

    Por: João Arruda “Entre mim mesmo e mim Não sei que se levantou, Que tão meu imigo sou.” Camões. O que falar deste misto de desejos imperiosos que parecem fazer tracção de corda, que puxam e repuxam medindo a força e a resistência destes que parecem serem e não serem eu e minha vontade; que

  • A FALSEABILIDADE NA FILOSOFIA DE KARL POPPER:

    Por: Juliana Vannucchi    Karl Popper (1902-1994) foi um dos pensadores mais brilhantes do século XX. Destacou-se especialmente na área da Filosofia da Ciência e um dos principais temas de sua filosofia, e que lhe rendeu notável reconhecimento é a questão da falseabilidade, que será explorada neste texto.    A Ciência é construída através da

  • AS FENDAS MÍSTICAS DAS OBRAS DE WILLIAM BLAKE:

    Por: Juliana Vannucchi Foi por intermédio de Jim Morrison, vocalista do The Doors, que conheci William Blake, notável artista inglês do século XIX. Eu li duas biografias sobre o líder do Doors e em ambas, ainda que de maneira distinta, Blake, encontrava-se presente como uma das grandes influências do músico, afinal, foi justamente uma passagem

  • DE BEATA VITA – SANTO AGOSTINHO:

    Por: Juliana Vannucchi “De beata vita” ou “Sobre a Vida Feliz” é um diálogo escrito por Santo Agostinho, no qual o filósofo dedica-se a refletir acerca da felicidade. Abaixo, disponibilizo algumas observações e resumos de alguns dos aspectos do texto que considero como sendo os de maior relevância.  Inicio minhas pontuações a partir do Capítulo