BREVE INTRODUÇÃO AO EMPIRISMO:

By Acervo Filosófico

Por Juliana Vannucchi

Para compreender o Empirismo, é necessário um entendimento prévio sobre a raiz filosófica ao qual ele pertence, que chama-se “Teoria do Conhecimento”, também conhecida como “Epistemologia” ou “Gnosiologia”. Vamos, portanto, esclarecer a definição deste ramo da Filosofia para chegarmos ao ponto principal aqui proposto, que é uma introdução ao Empirismo.

A Teoria do Conhecimento é, desde a antiguidade grega, um dos principais problemas pautados pela Filosofia. É uma área que busca investigar a validade do conhecimento, tentando responder perguntas do tipo “é possível conhecer as coisas como elas são“, “o que é conhecimentoo“, “é possível compreender e chegar na essência das coisas?”, entre outras questões. A partir de tais buscas, considera-se que o processo de conhecimento envolve dois elementos básicos específicos, que são “sujeito” e o “objeto”. Ou seja, respectivamente, a consciência e a realidade/fenômenos presentes no mundo. Esses dois aspectos relacionam-se entre si para que o conhecimento possa existir e, dentro de tal contexto, surgem várias correntes de pensamento que investigam as possibilidades, fatos e composições do sistema de conhecimento mencionado. Dentre tais linhagens teóricas, encontra-se o Empirismo (em oposição ao Racionalismo – que será explicado em outro texto) que defende a ideia de que as experiências são a única fonte pertinente de conhecimento. O pensador inglês John Locke foi um dos principais representantes de tal corrente. Sua filosofia baseia-se no conceito da “tabula rasa”, termo que ele formulou para referir-se ao fato de que as pessoas nascem como uma “folha em branco”, e que o conhecimento que elas adquirem acerca da realidade, provém exclusivamente de experiências vivenciadas, que resultam da observação dos dados sensoriais.

Todo nosso conhecimento está nela [a experiência] fundado (…) Empregada tanto nos objetos sensíveis externos como nas operações internas de nossas mentes, que são por nós percebidas e refletidas, nossa observação supre  nossos entendimentos com todos os materiais do pensamento“. – LOCKE, John. Ensaio Acerca do Entendimento Humano.

Portanto, a mente é tida como uma “folha em branco” que será preenchida pela experiência e que possui os sentidos como fonte primordial da aquisição do conhecimento. Na Inglaterra, vários outros pensadores destacaram-se como adeptos do Empirismo, alguns exemplos são George Berkeley, David Hume, John Stuart Mill. Para aprofundamos no tema, sugerimos que sejam buscadas e estudadas as obras destes mencionados pensadores.

Abaixo, como indicação e complemento, estamos postando um link do canal Olivieri TV, no qual Alessandro Olivieri, professor de Filosofia, explica o Empirismo para ajudar os alunos que pretendem fazer ENEM/Vestibular.

Related articles

Leave a Reply