O SUICÍDIO NAS FILOSOFIAS DE CAMUS E DE SARTRE:

By Acervo Filosófico

Por: Juliana Vannucchi e Pedro Bracciali

INTRODUÇÃO:

O objetivo deste texto é desenvolver argumentos sobre o tema suicídio, a partir das circunstâncias que conduzem o indivíduo a cometê-lo, como fatores externos, em contraponto a decisão autônoma, sendo esta muito discutida na reflexão filosófica. Não se pretende responder o porquê dos atos cometidos de suicídio, mas levantar a questão sobre o ponto de vista da ética e do valor da vida. Para isso foram pesquisados o pensamento dos filósofos: Albert Camus e Jean-Paul Sartre.

O SUICÍDIO VISTO POR SUAS CAUSAS:

O comportamento suicida pode ser analisado a partir de diversos estudos das ciências humanas. Para a saúde, o número de mortes por suicídio é um problema sério conforme aponta a Organização Mundial da Saúde – OMS, que através do Ministério da Saúde – MS do Brasil disponibiliza em seu site um manual de Prevenção do Suicídio (BRASIL, 2006), dirigido a profissionais das equipes de saúde mental. Dados estatísticos contidos nesse documento, embora defasados, mostram a dimensão desse problema social no país:

  • Na faixa etária entre 15 e 35 anos, o suicídio está entre as três maiores causas de morte;
  • Em indivíduos entre 15 e 44 anos, o suicídio é a sexta causa de incapacitação;
  • Nos últimos 45 anos, a mortalidade global por suicídio vem migrando em participação percentual do grupo dos mais idosos para o de indivíduos mais jovens (15 a 45 anos);
  • O Brasil encontra-se no grupo de países com taxas baixas de suicídio. Essas taxas variam de 3,9 a 4,5 para cada 100 habitantes a cada ano. Entretanto por ser um país populoso, está entre os dez países com maiores números de suicídio;
  • Embora o Brasil apresente uma taxa geral considerada baixa pela OMS, alguns estados brasileiros já apresentam taxas comparáveis aos países apontados como de frequência de média a elevada;
  • Nesses estados, os índices seguem a mesma tendência de ascensão e apresentam um coeficiente para o sexo masculino de 3,7 para 1 feminino;
  • Os estados do Sul e Centro-Oeste apresentam os maiores índices de suicídio, 8,16 e 6,25, respectivamente;
  • Os registros oficiais sobre tentativas de suicídio são mais escassos e menos confiáveis.

Dessa forma, as questões psicológicas e psiquiátricas interferem, determinantemente, na predisposição ao suicídio. Ademais, outros fatores extra individuo exercem, igualmente, influencia decisiva. Um estudo de caso sobre suicídio escrito pelo sociólogo francês E. Durkheeim mostrou o quanto um ato individual é também o resultado do meio social que o cerca. Segundo ele, os indivíduos têm um certo nível de integração com os seus grupos – o que ele chama de integração social. Níveis que foge da normalidade dessa integração social poderiam resultar num aumento das taxas de suicídio: os níveis de baixa integração social resultam numa sociedade desorganizada, levando o indivíduo ao suicídio como uma última alternativa; os níveis de alta integração fazem as pessoas preferirem destruir a si próprias do que viver sob grande controle da sociedade. Essa conclusão tem fundamento nas taxas de suicídio por ele avaliadas:

  • Taxas de suicídio são maiores entre os solteiros, viúvos e divorciados do que entre os casados;
  • São maiores entre pessoas que não tem filhos;
  • São maiores entre protestantes do que entre católicos e judeus;
  • O indivíduo portador da “ideia do suicídio”, na maioria das vezes, quase sempre não sobrevive.

As razões têm as seguintes explicações complementares de Durkheeim: comunidades católicas tendem a ser um pouco mais integradas que as protestantes, com laços familiares mais próximos. De forma similar, pessoas casadas e/ou com filhos são menos propensas a cometer suicídio, pois elas têm mais motivos para viver.

Com o propósito ainda de averiguar as causas de suicídio, acrescenta-se o que Durkheim diferenciou como três tipos de suicídio:

Suicídio egoísta: O egoísmo é um estado que se caracteriza por baixa integração social. Existem poucos laços sociais para impedir que o indivíduo se mate. Este é o caso, por exemplo, entre os divorciados após o fim de um relacionamento afetivo com outro indivíduo.

Suicídio altruísta ou filantrópico: esse tipo de suicido acontece como uma forma de sacrifício, e pode ocorrer de duas formas diferentes:

1) onde indivíduos se veem sem importância ou oprimidos pela sociedade e preferem cometer suicídio. Ele viu isto acontecer em sociedades “primitivas” ou “antigas”, mas também em regimentos militares muito tradicionais, como guardas imperiais ou de elite, na sociedade contemporânea;

2) onde indivíduos veem o mundo social sem importância e sacrificariam a si próprios por um grande ideal. Durkheim viu isto acontecer em religiões orientais. Alguns sociólogos contemporâneos seguem essa análise para explicar os kamikazes e os homens-bomba.

Suicídio anômico: A anomia é um estado onde existe uma fraca regulação social entre as normas da sociedade e o indivíduo, mais frequentemente trazidas por mudanças dramáticas nas circunstâncias econômicas e/ou sociais. Este tipo de suicídio acontece quando as normas sociais e leis que governam a sociedade não correspondem com os objetivos de vida do indivíduo. Uma vez que o indivíduo não se identifica com as normas da sociedade, o suicídio passa a ser uma alternativa de escapar.

O SUICÍDIO COMO REFLEXÃO FILOSÓFICA:

O suicídio é o ponto de partida de O Mito de Sísifo, principal obra filosófica de Albert Camus. O primeiro capítulo do ensaio, intitulado “O absurdo e o suicídio”, inicia-se com a seguinte colocação a respeito do tema: “só existe um problema filosófico realmente sério: o suicídio. Julgar se a vida vale ou não vale a pena ser vivida é responder à pergunta fundamental da filosofia. O resto, se o mundo tem três dimensões, se o espírito tem nove ou doze categorias, vem depois”. (CAMUS, 2010, p. 19).

Primeiramente, é preciso contextualizar esta abordagem do texto com conceito do “Absurdismo”, aspecto filosófico central que tange o restante da obra, pois conforme diz o próprio autor: “o tema deste ensaio é justamente a relação entre o absurdo e o suicídio” (CAMUS, 2010, p. 22). No decorrer do texto, Camus ressalta os aspectos pessimistas e os tormentos da existência, concluindo que a vida cotidiana do homem é absurda. Para ele alguns indivíduos são capazes de perceber essa insignificância da condição humana e, então se sentem angustiados e, neste momento seus espíritos se rebelam contra o mundo. Este seria o “sentimento do Absurdo”, e o homem que o percebe, é aquele que é herói de si próprio e que, conforme afirma Camus, é o sujeito que “contempla seu tormento”, sendo alguém capaz de encontrar a felicidade na tragédia e abraçar com perseverança os fardos de sua vivência.

Portanto, partindo do princípio de que um homem é capaz de notar o vazio da existência, o filósofo indaga qual seria o sentido de este indivíduo continuar vivo. Mas, conforme mencionado anteriormente, é preciso lembrar que o absurdista não nega a vida, pois “do sentimento do absurdo, nasce a felicidade”. (CAMUS, 2010, p. 24). Isto significa que o sujeito pode ter consciência dos assombros que o cercam, mas ainda assim, encarar com paixão essa escuridão. Dentro deste quadro, o pensador diz que o suicídio, até então, sempre foi tratado meramente sob o âmbito social, sendo que em sua filosofia, Camus empenha-se a fazer o contrário disso, abordando-o sob a esfera da individualidade do pensamento, ou seja, da maneira como cada mente em particular se relaciona com o mundo.

O autor afirma que na maior parte dos casos, as pessoas tiram sua própria vida sem reflexão, e de maneira descontrolada e impulsiva. Se houve reflexão, raramente (embora não seja descartável) haverá suicídio, pois se matar é “confessar que formos superados pela vida ou que não a entendemos” (CAMUS, 2010, p. 21). E essa superação se dá na medida em que o homem sente o absurdo, e opta pela morte como válvula de escape. Contudo, para o filósofo, não enxergar sentido na vida não significa que ela não deva ser vivida. Ele indaga: “será que o absurdo exige que escapamos dela, pela esperança ou pelo suicídio?” (CAMUS, 2010, p. 24).

Jean Paul-Sartre tem no existencialismo o fundamento do seu pensamento. Para ele, o suicídio é um erro por se tratar de um ato de liberdade que impossibilita todos os atos futuros de liberdade. “Assim, a morte jamais é aquilo que dá à vida seu sentido: pelo contrário, é aquilo que, por princípio, suprime da vida toda significação” (SARTRE, 2007, p. 661). Se há de morrer, esclarece ele, a vida carece de sentido porque seus problemas não recebem qualquer solução e a própria significação dos problemas permanece indeterminada. O suicídio não pode ser considerado, para a vida, um fim do qual o sujeito seria o próprio fundamento. Sendo um ato da vida, requer uma significação que só o porvir pode lhe dar; mas, como é o último ato da vida, recusa a si mesmo esse porvir; assim, mantém-se totalmente indeterminado. O projeto rumo a morte é compreensível, mas não o projeto rumo a própria morte como possibilidade indeterminada de não mais realizar presença no mundo, pois tal projeto seria destruição de todos os projetos. (SARTRE, 2007, p. 662)

 

DEIXE SEU COMENTÁRIO ABAIXO! COMPARTILHE CONOSCO SUAS REFLEXÕES, SUGESTÕES, DÚVIDAS, OPINIÕES E CONHECIMENTOS.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS:

BELÉM, Euler de França. A revolução Russa de Stálin devorou Maiakóvski. Revista Bula: Literatura e jornalismo cultural, Brasília, 10 dez. 2008. Disponível em: <http://acervo.revistabula.com/posts/livros/revolucao-russa-de-stalin-devorou-maiakovski>. Acesso em: 10 maio 2016.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Área Técnica de Saúde Mental. Prevenção do Suicídio: manual dirigido a profissionais das equipes de saúde mental. Brasília: Ministério da Saúde, 2006. 76 p. Organização Pan-americana da Saúde; Universidade Estadual de Campinas UNICAMP.                                                    Disponível em: <http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/manual_editoracao.pdf>. Acesso em: 05 abr. 2016.

CAMUS, Albert. O mito de Sísifo. 6. ed. Rio de Janeiro: Record, 2010. 158 p. Tradução de Ari Roitman, Paulina Watch.

DEBATE: Psiquiatria hoje. Rio de Janeiro: Associação Brasileira de Psiquiatria Abp, v. 2, n. 1, jan-fev de 2010. Bimestral. Disponível em:         <http://www.abp.org.br/download/PSQDebates_7_Janeiro_Fevereiro_light.pdf>. Acesso em: 10 maio 2016.

GERBER, Nancy. Afterwords: Letters on the Death of Virginia Woolf (review). Feminist Teacher, Baltimore, Maryland USA, v. 19, n. 3, p.258-260, 2009. Johns Hopkins University Press. Disponível em: <http://dx.doi.org/10.1353/ftr.0.0058>. Acesso em: 09 maio 2016.

MAR ADENTRO. Direção de Alejandro Amenábar. Produção de Alejandro Amenábar e Fernando Bovaira. Intérpretes: Marta Larralde, Javier Bardem, Belén Rueda. Roteiro: Mateo Gil. Espanha: [s.i.], 2004. (120 min.), son., color. Legendado. Coprodução francoitaliana.

PUENTE, Fernando Rey (Org.). Os Filósofos e o Suicídio. Belo Horizonte: Ufmg, 2008. 193 p.

SARTRE, Jean-Paul. O ser e o nada: Ensaio de Ontologia Fenomenológica. 15. ed. Petrópolis: Vozes, 2007. 784 p. Tradução e Notas de Paulo Perdigão.

TAVERNISE, Sabrina. Número de Suicídios nos Estados Unidos é o mais alto em 30 anos. Folha de S.Paulo. São Paulo, 27 abr. 2016. Mundo. The New York Times 22/04/2016. Tradução de Paulo Migliacci. Disponível em: <http://www1.folha.uol.com.br/mundo/2016/04/1763764-numero-de-suicidios-nos-estados-unidos-e-o-mais-alto-em-30-anos.shtml>. Acesso em: 22 abr. 2016.

 

Related articles

Leave a Reply