REALISMO X IDEALISMO:

By Acervo Filosófico

Por: Paulo Pedroso

*Caro leitor, deixe seu comentário no final do texto. Suas reflexões, opiniões e dúvidas são importantes para nós. Compartilhe-as!

Na área da Gnosiologia, há pelo menos duas teorias básicas que são pontos de partida fundamentais para a compressão do assunto e das demais teorias relacionadas.

   Na área da Gnosiologia, que investiga a essência do conhecimento, há pelo menos duas teorias básicas que são pontos de partida fundamentais para a compressão do assunto e das demais teorias relacionadas. Elas são: Realismo e Idealismo, duas correntes antagônicas. As duas teorias divergem sobre qual é o fator determinante para o conhecimento: sujeito ou o objeto. Buscam encontrar na relação entre ambos, o conhecimento e a possibilidade de objetos existirem na ausência do sujeito.

 O termo Realismo no sentido epistemológico considera que o objeto determina o conhecimento e que as coisas seriam reais e o sujeito as conhece tal como são, pois a realidade é tal como é, independente, portanto, do sujeito que a observa. As várias vertentes de Realismo divergem entre si sobre a participação e a percepção do sujeito e suas possíveis variações, mas ainda assim sempre atribuindo a realidade e o conhecimento ao objeto. Quaisquer ideias ou sensações que possam divergir entre sujeitos distintos têm necessariamente seu início em algo provindo da realidade. Alguns principais autores que abordam e sustem essa teoria, são Thomas Reid, Adam Ferguson e Dugald Stewart.

   O Idealismo, por sua vez, é um termo usado para mais de uma corrente filosófica. No contexto deste texto, em específico, refere-se exclusivamente ao Idealismo Epistemológico, teoria oposta ao Realismo, e que considera que o fator determinante para o conhecimento é o sujeito. Segundo o Idealismo não há realidade fora da consciência, a realidade é uma cópia imperfeita, uma representação, e as coisas não existem por si mesmas, não há preexistência de objetos, e a realidade é formada a partir do sujeito durante a interação que este formula com objetos, sendo que estes existem somente na consciência do sujeito.

   No Idealismo as coisas existem enquanto podemos pensá-las ou percebê-las e a realidade não é a coisa em si, mas a imagem da coisa formada na consciência do sujeito e, neste âmbito, só é possível conhecer o que se converte em pensamento ou já é abstrato, como uma ideia. As vertentes do Idealismo divergem sobre a realidade partir de uma consciência individual ou objetiva (científica) e também se o processo de conhecimento é psicológico ou lógico. Alguns dos principais autores dessa teoria são Platão, Berkeley e Hegel.

DEIXE SEU COMENTÁRIO ABAIXO! COMPARTILHE CONOSCO SUAS REFLEXÕES, SUGESTÕES, DÚVIDAS, OPINIÕES E CONHECIMENTOS.

 

Related articles

9 Comments

  1. Reply

    Tinha uma pequena dúvida quanto à definição e propósito do “idealismo” e fiquei esclarecido. Obrigado pelo texto explicativo, de fácil compreensão e assimilação, “Acervo Filosófico”!

    1. Acervo Filosófico
      Reply

      Olá, Sérgio! Tudo certo? Muito obrigada, fico feliz em saber que fomos capazes de ajudá-lo. Seja sempre bem-vindo! Caso tenha outras dúvidas/sugestões/opiniões em geral, só entrar em contato. Um grande abraço!

  2. Reply

    Obrigada, me ajudou demais!

    1. Acervo Filosófico
      Reply

      Nós é que agradecemos, Elisabete! Ficamos felizes em saber que a ajudamos. Seja sempre MUITO bem-vinda ao nosso site! Um grande abraço!

  3. Reply

    Muito bom! O site é muitoo lindo <3

    1. Acervo Filosófico
      Reply

      Oi, Gabi!! Tudo bem? MUITO obrigada pelo elogio, fico muito feliz com o seu comentário! Seja sempre bem-vinda ao Acervo Filosófico! Segue a gente nas redes sociais, temos perfil no Instagram, no Twitter, página no Face e também um canal no Youtube. Um grande abraço, tenha um excelente domingo!

  4. Reply

    Estava procurando sobre o debate clássico entre o realismo ético socrático e o realismo pragmático de Trasímaco, mas o post me levou a refletir sobre outras coisas que são tão interessantes quanto. Se o idealismo diz que a realidade não é a coisa em si e a realidade é só o que poderia ser por depender da consciência, posso pensar que Kant e Spinoza também eram idealista?
    Não sei se fui claro, mas espero que vocês possam ter entendido minha dúvida haha.

    Muito obrigado pelo post, sempre enriquecedor! 🙂

  5. Reply

    A expressão máxima do idealismo está na frase de Berkeley: “ser é ser percebido”. No entanto, o problema do idealismo é creditar à consciência o poder de conhecer as coisas por ela mesma, assim como o problema do realismo está em acreditar que se possa conhecer as coisas apenas a partir delas mesmas. O papel da fenomenologia é justamente desfazer esse mal entendido, mostrando que não existe consciência em si nem objeto separado da consciência. É sempre um para o outro.

Leave a Reply